constelação familiar (33) frustração (28) Bert Hellinger (21) alegria (21) amor (18) família (18) constelação (14) doença (13) casamento (11) dinheiro (9) felicidade (9) relacionamento (9) confusão (8) depressão (8) problemas (8) separação (8) tristeza (8) consequência (6) depressão masculina (6) filhos (6) morte (6) desgaste (5) desordem (5) dor (5) familiar (5) gravidez (5) sucesso (5) casal (4) crianças (4) sistemica (4) trabalho (4) alzheimer (3) amor fraternal (3) carência (3) crise (3) dificuldade (3) dificuldades na leitura fala e aprendizado (3) equilíbrio (3) excesso (3) fidelidade (3) fome (3) medicina (3) mudança (3) mulher (3) mãe (3) riqueza (3) sintomas (3) solidão (3) traumas (3) abandono (2) adolescente (2) alcoolismo (2) assassinato (2) autoconhecimento (2) cancer (2) constatação (2) cuidado (2) emprego (2) espirros (2) estresse (2) exame (2) gasto (2) mentira (2) mioma (2) monstros (2) médico (2) pais (2) perdão (2) profissão (2) saúde (2) sobrevivência (2) suicídio (2) tosse (2) 10 cartórios (1) Joel Aleixo (1) acidente (1) alcoólatra (1) apetite insaciável (1) barriga (1) bebê (1) beleza (1) bullying (1) cabelo (1) cabeça (1) cansaço (1) certidão (1) chapinha (1) cidadania (1) crime (1) cromossomo (1) cão (1) dengue (1) descobertas (1) descontrole (1) descuido (1) desemprego (1) detran (1) dia-a-dia (1) diarréia (1) dor nas costas (1) dúvida (1) empresa (1) esterelidade masculina (1) estética (1) exercício (1) florais (1) gato (1) gripe suína (1) guerra (1) habilitação (1) homem (1) idoso (1) independência (1) irmãos (1) irmãs (1) juventude (1) klinefelter (1) livro (1) mal estar (1) mamografia (1) mosquito (1) mãe solteira (1) namoro (1) noivado (1) novidade (1) odiar os homens (1) paciente (1) poder judiciário (1) poupatempo (1) progressiva (1) pênis (1) remédio (1) representante (1) segredo (1) seios (1) síndrome (1) tarot (1) teimosia (1) teste (1) tragédia (1) traição (1) vacina (1) verme (1) violência (1) visual (1) água (1) ética (1) útero (1)

Games deixam, sim, crianças agressivas

O Estado de São Paulo
Vida &
Pág A 18
edição de 23/08/2005

Conclusão é da Associação Americana de Psicologia, depois de analisar pesquisas realizadas ao longo de 20 anos

WASHINGTON
Depois de analisar estudos realizados nos últimos 20 anos em diversas partes do mundo, a Associação Americana de Psicologia chegou à conclusão de que os videogames com imagens de violência podem, sim, levar crianças e adolescentes a ter comportamentos violentos.

No fim de semana, foi realizada a reunião anual da associação, em Washington (EUA), onde foram apresentados estudos sobre o tema. Um deles mostrou que bastam dez minutos de jogo violento para que, logo em seguida, num teste psicológico, o jogador revele um comportamento agressivo.

Professores de 600 estudantes com idade entre 13 e 15 anos, segundo outra pesquisa, disseram que as crianças que passavam mais tempo diante de videogames com cenas de luta e morte eram mais hostis com os colegas e discutiam com mais facilidade com o professor e o diretor.

Diante de dados como esses, a Associação Americana de Psicologia aproveitou o encontro em Washington para elaborar uma resolução em que defende a diminuição da violência interativa nos jogos eletrônicos. 'Parece evidente que a exposição à violência aumenta os sentimentos de hostilidade e os pensamentos de agressão. Também parece evidente que a violência é um método de lidar com situações potenciais de conflito', afirma o texto.

Outro estudo apresentado no fim de semana mostra que quem pratica um ato violento nos jogos virtuais fica impune em 73% das situações. 'Mostrar atitudes violentas sem as devidas conseqüências é ensinar aos jovens que a violência é uma boa forma de resolver conflitos. Mostrar dor e sofrimento como conseqüência pode inibir os comportamentos agressivo', afirma a psicóloga Elizabeth Carll, uma das diretoras do Comitê de Violência em Videogames e Mídia Interativa, da Associação Americana de Psicologia.

VISÃO CRÍTICA
As conclusões são semelhantes às obtidas em outro estudo, feito com jovens portugueses que assistiam a programas violentos na televisão. Joaquim Ferreira, da Universidade de Coimbra, em Portugal, estudou mais de 800 meninos com idade entre 9 e 14 anos e descobriu que o principal fator de ligação entre a violência na TV e o comportamento agressivo é a forma como a criança entende a violência. 'O que incentiva esses comportamentos são a forma como você percebe a violência e a maneira como você ensina seu filho a entender essa realidade', afirma.

Por isso, uma das sugestões da Associação Americana de Psicologia é que os pais ensinem os filhos a encarar os jogos de forma crítica, para que adquiram a capacidade de separar fantasia e realidade. Na opinião de Ferreira, porém, isso é mais fácil em relação à TV que aos videogames. 'Nos jogos, você fica muito mais envolvido, pois é você que está praticando a violência.'

Reuters

Informações complementares no site:
http://link.estadao.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá!
COMENTÁRIOS ENVIADOS AO MEU E-MAIL COMO "ANÔNIMO" NÃO PODEM SER RESPONDIDOS (o sistema não identifica você, então como vou responder?)

Se você quiser uma resposta rápida, pessoal e direta, mande para curapessoal@gmail.com, e não se esqueça de colocar o seu e-mail para que eu possa responder.

POSTAGENS QUE CONTEREM NOMES DE MEDICAMENTOS SERÃO DESCARTADAS (para não conduzirem à automedicação) OU EDITADAS.

Postagens que eu considerar inapropriadas por conter nomes que comprometam terceiros serão descartadas.