constelação familiar (33) frustração (28) Bert Hellinger (21) alegria (21) amor (18) família (18) constelação (14) doença (13) casamento (11) dinheiro (9) felicidade (9) relacionamento (9) confusão (8) depressão (8) problemas (8) separação (8) tristeza (8) consequência (6) depressão masculina (6) filhos (6) morte (6) desgaste (5) desordem (5) dor (5) familiar (5) gravidez (5) sucesso (5) casal (4) crianças (4) sistemica (4) trabalho (4) alzheimer (3) amor fraternal (3) carência (3) crise (3) dificuldade (3) dificuldades na leitura fala e aprendizado (3) equilíbrio (3) excesso (3) fidelidade (3) fome (3) medicina (3) mudança (3) mulher (3) mãe (3) riqueza (3) sintomas (3) solidão (3) traumas (3) abandono (2) adolescente (2) alcoolismo (2) assassinato (2) autoconhecimento (2) cancer (2) constatação (2) cuidado (2) emprego (2) espirros (2) estresse (2) exame (2) gasto (2) mentira (2) mioma (2) monstros (2) médico (2) pais (2) perdão (2) profissão (2) saúde (2) sobrevivência (2) suicídio (2) tosse (2) 10 cartórios (1) Joel Aleixo (1) acidente (1) alcoólatra (1) apetite insaciável (1) barriga (1) bebê (1) beleza (1) bullying (1) cabelo (1) cabeça (1) cansaço (1) certidão (1) chapinha (1) cidadania (1) crime (1) cromossomo (1) cão (1) dengue (1) descobertas (1) descontrole (1) descuido (1) desemprego (1) detran (1) dia-a-dia (1) diarréia (1) dor nas costas (1) dúvida (1) empresa (1) esterelidade masculina (1) estética (1) exercício (1) florais (1) gato (1) gripe suína (1) guerra (1) habilitação (1) homem (1) idoso (1) independência (1) irmãos (1) irmãs (1) juventude (1) klinefelter (1) livro (1) mal estar (1) mamografia (1) mosquito (1) mãe solteira (1) namoro (1) noivado (1) novidade (1) odiar os homens (1) paciente (1) poder judiciário (1) poupatempo (1) progressiva (1) pênis (1) remédio (1) representante (1) segredo (1) seios (1) síndrome (1) tarot (1) teimosia (1) teste (1) tragédia (1) traição (1) vacina (1) verme (1) violência (1) visual (1) água (1) ética (1) útero (1)

O preço das coisas

Às vezes fazemos sacrifícios, físicos, mentais ou emocionais. O resultado disso? Depende. Qual é o preço que você quer pagar por isso?

Você quer uma vida confortável. Casa-se então com alguém de quem nem gosta muito, mas que tem dinheiro. A pessoa é chata, exigente, mau humorada. Mas mesmo que a outra pessoa seja muito legal, você está disposto (a) a pagar este preço? Ter uma vida ao lado de alguém que não ama só pelo conforto material? Deixar passar pela vida pessoas que poderiam ser muito mais?

Você quer ter sucesso profissional. Sacrifica-se no estudo, até altas horas, para entrar na faculdade, que com dificuldade, consegue concluir. Começa a trabalhar arduamente, fazer seu nome, e ter sucesso e dinheiro. Mas sonha em ter um negócio tranqüilo - que você pensa: "assim que eu conseguir ganhar o dinheiro suficiente, eu monto!" - , totalmente diferente do atual. Só que você acaba entrando na roda viva que é a própria vida: vai deixar o sucesso para trás, junto com as viagens ao exterior, junto com o colégio caríssimo dos filhos, junto com os benefícios que a empresa dá, junto com a aposentadoria que a empresa planeja, o convênio excelente, etc, etc.??? E o tempo vai passando, a frustração aumentando junto com a falta de vontade de trabalhar (que já virou obrigação, não prazer), afetando a sua saúde, e você se vê sem saída, a não ser continuar. Que preço alto, não?

Eu sou adepta do preço justo.

Se não quero ser infeliz e fechar as portas para relacionamentos saudáveis, EU NÃO PAGO! Prefiro estar disponível e sozinha. Mas experimento relações mesmo que aparentemente possam parecer naufragar daqui a pouco.

Se não quero ter uma vida de sacrifício profissional, EU NÃO PAGO!!! Prefiro fazer o que eu amo, o que me dá alegria e disposição ao acordar para exercer a felicidade de todo dia. Mas é claro que nem tudo são flores (e nem tudo se resolve com florais), mas faz parte, e este preço pago tranqüilamente.

Vejo tantas pessoas aqui, em meu consultório, que acreditam que irão pagar pouco e por pouco tempo por aquilo que acham ser a felicidade... Por isso, a cada dia em que eu venho trabalhar, reforço isso: VOCÊ SABE O PREÇO? VALE A PENA? VOCÊ ESTÁ DISPOSTO A PAGAR POR ISSO??? Pense bem, muito bem...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá!
COMENTÁRIOS ENVIADOS AO MEU E-MAIL COMO "ANÔNIMO" NÃO PODEM SER RESPONDIDOS (o sistema não identifica você, então como vou responder?)

Se você quiser uma resposta rápida, pessoal e direta, mande para curapessoal@gmail.com, e não se esqueça de colocar o seu e-mail para que eu possa responder.

POSTAGENS QUE CONTEREM NOMES DE MEDICAMENTOS SERÃO DESCARTADAS (para não conduzirem à automedicação) OU EDITADAS.

Postagens que eu considerar inapropriadas por conter nomes que comprometam terceiros serão descartadas.