constelação familiar (33) frustração (28) Bert Hellinger (21) alegria (21) amor (18) família (18) constelação (14) doença (13) casamento (11) dinheiro (9) felicidade (9) relacionamento (9) confusão (8) depressão (8) problemas (8) separação (8) tristeza (8) consequência (6) depressão masculina (6) filhos (6) morte (6) desgaste (5) desordem (5) dor (5) familiar (5) gravidez (5) sucesso (5) casal (4) crianças (4) sistemica (4) trabalho (4) alzheimer (3) amor fraternal (3) carência (3) crise (3) dificuldade (3) dificuldades na leitura fala e aprendizado (3) equilíbrio (3) excesso (3) fidelidade (3) fome (3) medicina (3) mudança (3) mulher (3) mãe (3) riqueza (3) sintomas (3) solidão (3) traumas (3) abandono (2) adolescente (2) alcoolismo (2) assassinato (2) autoconhecimento (2) cancer (2) constatação (2) cuidado (2) emprego (2) espirros (2) estresse (2) exame (2) gasto (2) mentira (2) mioma (2) monstros (2) médico (2) pais (2) perdão (2) profissão (2) saúde (2) sobrevivência (2) suicídio (2) tosse (2) 10 cartórios (1) Joel Aleixo (1) acidente (1) alcoólatra (1) apetite insaciável (1) barriga (1) bebê (1) beleza (1) bullying (1) cabelo (1) cabeça (1) cansaço (1) certidão (1) chapinha (1) cidadania (1) crime (1) cromossomo (1) cão (1) dengue (1) descobertas (1) descontrole (1) descuido (1) desemprego (1) detran (1) dia-a-dia (1) diarréia (1) dor nas costas (1) dúvida (1) empresa (1) esterelidade masculina (1) estética (1) exercício (1) florais (1) gato (1) gripe suína (1) guerra (1) habilitação (1) homem (1) idoso (1) independência (1) irmãos (1) irmãs (1) juventude (1) klinefelter (1) livro (1) mal estar (1) mamografia (1) mosquito (1) mãe solteira (1) namoro (1) noivado (1) novidade (1) odiar os homens (1) paciente (1) poder judiciário (1) poupatempo (1) progressiva (1) pênis (1) remédio (1) representante (1) segredo (1) seios (1) síndrome (1) tarot (1) teimosia (1) teste (1) tragédia (1) traição (1) vacina (1) verme (1) violência (1) visual (1) água (1) ética (1) útero (1)

Adiar gravidez expõe mulher a miomas

Copiado na íntegra do site do Estadão

"Médicos dizem que tumor atinge até 80% das mulheres e é a principal causa da retirada de útero


04 de maio de 2011 | 8h 01
Mariana Lenharo - Jornal da Tarde 
Ao adiarem a gravidez para depois dos 35 anos, as mulheres se tornam mais vulneráveis ao surgimento de miomas no útero, que atingem até 80% da população feminina, de acordo com os médicos. Só no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP, são atendidas cerca de 400 mulheres por mês com a doença. Esse tipo de tumor, embora benigno, é o principal responsável pelas cirurgias de retirada do útero (histerectomia), que já está entre os procedimentos mais comuns da área ginecológica e impossibilita gestações posteriores. 

"Hoje, se fala muito mais em mioma porque as mulheres começam a vida reprodutiva mais tarde", diz o ginecologista e obstetra Alberto d´Áuria, do Hospital e Maternidade Santa Joana. Segundo ele, a gravidez é o único fator reconhecidamente protetor contra a doença. Isso porque o mioma é "alimentado" pelo hormônio estrógeno e inibido pela progesterona. "Durante a gestação, a produção aumentada de progesterona durante 14 meses atua como um tratamento suficiente para amansar e acalmar as células que estão na iminência de se multiplicar e se transformar em mioma", completa o especialista.

Cerca de 25% das mulheres com mioma sofrem com os sintomas da doença, caracterizados por dor, sangramento e infertilidade. Nesses casos, o tratamento do tumor pode ser de várias formas (veja quadro acima): há opções clínicas, com a administração de remédios que minimizam os sintomas, mas apenas a técnica cirúrgica é capaz de impedir a reincidência da doença, afirma o médico Nilo Bozzini, responsável pelo Ambulatório de Mioma Uterino do HC. "A histerectomia é uma das alternativas mais eficazes", diz. No HC, por exemplo, entre 50% e 60% das pacientes passam pelo procedimento cirúrgico.

A assistente administrativa Rosana Monteiro, de 42 anos, descobriu ter dois miomas mas ainda não sabe qual tratamento irá adotar: histerectomia ou laparoscopia. "Como não pretendo ter filhos, eu tiraria tudo. Mas estou com dúvidas porque tem gente que diz que tirar o útero não é bom para a saúde da mulher."

O ultrassom mais recente feito por Rosana apontava que os miomas já estavam com quase 10 cm. Ela lembra que, no início do quadro, há três anos, o problema chegou a ser confundido com outras doenças. "Sinto muita dor e, a princípio, achei que era por causa de pedras nos rins que eu costumava ter", conta. Por causas das dores, ela diz que vive à base de analgésicos cinco dias por mês, sempre antes do período menstrual.

Obesidade e hipertensão. A doença tem forte componente genético, mas há alguns outros fatores de risco - além da gravidez tardia - que são observados na prática clínica: obesidade e hipertensão estão entre eles, segundo o ginecologista Eduardo Zlotnik, do Hospital Israelita Albert Einstein. Além disso, mulheres negras são mais suscetíveis ao problema se comparadas às brancas e asiáticas.

"Infelizmente, não sabemos por que uma célula começa a se multiplicar de forma desordenada. É uma doença hormônio-dependente e vemos que mulheres que usam anticoncepcional oral correm menos riscos, mas não conhecemos uma ação preventiva forte", diz o ginecologista Rodrigo Aquino Castro, professor da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

Icesp tem técnica experimental para destruir tumores
No mês passado, o JT revelou que o Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (Icesp) começou a testar um novo equipamento capaz de destruir tumores por meio de ondas de ultrassom superpotentes. O primeiro tipo de tumor a ser tratado experimentalmente pelo High Intense Focus Ultrassound (Hifu) foi o mioma. No momento do anúncio, o equipamento já tinha sido usado para tratar miomas de seis mulheres com sucesso. A vantagem da técnica é o fato de ser pouco invasiva: não há necessidade de cortes e o tumor é eliminado sem a danificação de tecidos adjacentes.

O Hifu combina a ressonância magnética, que permite localizar o tumor com precisão, com um feixe de ultrassom cerca de 20 mil vezes mais potente do que o usado em exames de imagem. Esse feixe é direcionado apenas para o tumor e a temperatura no local chega a 80ºC. Assim, o tumor é queimado sem danificar os demais tecidos. A técnica ainda não está disponível em larga escala, sendo usada experimentalmente em pacientes selecionados pelo Icesp.

PINGUE-PONGUE: 

Nilo Bozzini - ginecologista responsável pelo ambulatório de mioma uterino do hospital das clínicas - ‘Maioria não provoca Sintomas’

Como o mioma uterino costuma ser diagnosticado?
Apesar de 80% das mulheres terem mioma uterino, a maioria é assintomática, ou seja, sem sintomas. Elas acabam descobrindo o problema em exames ginecológicos de rotina ou, então, procuram o médico por causa de sangramento, dor, aumento do volume abdominal ou infertilidade.

Quais são as alternativas de tratamento para a doença?
A maioria dos miomas não requer tratamento específico. Para os casos que pedem tratamento, o que resolve tudo é a retirada do útero, mas é uma técnica que não se aplica a todo mundo. Uma jovem que deseja gravidez deve ser submetida a um tratamento conservador. Já para uma paciente que tem prole determinada, a histerectomia, ainda que muitos critiquem, é um tratamento eficaz que não compromete a sexualidade nem a feminilidade da paciente. Os tratamentos cirúrgicos conservadores são a miomectomia, em que se retira só o mioma, e duas técnicas novas: a embolização e a ablação por ressonância magnética. Em alguns casos, anti-inflamatórios podem ser usados para diminuir sangramento e dores.

No caso do Ambulatório do HC, que parcela faz a histerectomia? No HC costumam cair quadros clínicos difíceis. Das pacientes que recebemos, de 50 a 60% vão para o tratamento mais radical, a histerectomia. Ainda que existam tratamentos mais novos, que constituem alternativas, a retirada do útero ainda é uma das técnicas mais utilizadas.

A histerectomia oferece riscos?
Como em qualquer cirurgia, existem riscos, mas hoje a execução do procedimento é tecnicamente avançada. Não existe tratamento único e não existe o melhor tratamento. Existe o melhor tratamento para cada pessoa, considerando o quadro, a idade e as circunstâncias de vida. 

TRATAMENTOS

CLÍNICO
link Anti-inflamatórios: minimizam dores e sangramentos, mas não diminuem o mioma
link Análogos do GnRH (hormônio): simulam a menopausa, diminuindo mioma e do útero. Mas não é um tratamento definitivo

CIRÚRGICO
link Histerectomia: retirada total do útero, sem risco de reincidência
link Miomectomia: retirada do mioma por meio de técnicas diversas, mas há risco de retorno dos miomas
link Embolização: Com um cateter, são inseridas partículas pela artéria que nutre o mioma, que morre com o fim do fluxo de sangue."

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá!
COMENTÁRIOS ENVIADOS AO MEU E-MAIL COMO "ANÔNIMO" NÃO PODEM SER RESPONDIDOS (o sistema não identifica você, então como vou responder?)

Se você quiser uma resposta rápida, pessoal e direta, mande para curapessoal@gmail.com, e não se esqueça de colocar o seu e-mail para que eu possa responder.

POSTAGENS QUE CONTEREM NOMES DE MEDICAMENTOS SERÃO DESCARTADAS (para não conduzirem à automedicação) OU EDITADAS.

Postagens que eu considerar inapropriadas por conter nomes que comprometam terceiros serão descartadas.